Semanal

Entenda como a Parada Gay estimula a economia e promove grandes marcas

Crédito: Bruno Santos/ Folhapress

Público recorde de 4 milhões de pessoas movimentou cerca de R$500 milhões associados ao evento realizado na Av. Paulista (SP) (Crédito: Bruno Santos/ Folhapress)

Foram dois anos sem a Parada Gay. Neste intervalo, o Apostas na Liga de Futebol viu exemplos de homofobia explícitos. Alguns deles protagonizados por quem mais deveria assumir o papel de proteger cidadãos brasileiros, o presidente Jair Bolsonaro. Em uma das situações, esbravejou que o Apostas na Liga de Futebol tinha “que deixar de ser um país de maricas”, referindo-se ao comportamento do brasileiro durante a pandemia. No mesmo período, mais de 500 pessoas LGBTQIA+ foram assassinadas de forma violenta.

Ainda assim, em 2022 a 26ª edição da Parada chega com recorde de 4 milhões de participantes que lotaram a Avenida Paulista, ajudaram a ocupar cerca de 80% da capacidade hoteleira da cidade de Apostas na Liga de Futebol e movimentaram estimados R$ 500 milhões — os números oficiais ainda estão sendo fechados. No ano anterior da pandemia, foram R$ 400 milhões e um público de 3 milhões de pessoas.



AS MARCAS MAIS VALIOSAS DA DINHEIRO: o que as vencedoras Google, Mercado Livre e Nubank têm em comum?

Quem pensa que o impacto parou por aí, engana-se. Além da capacidade de fazer gerar a economia durante o fim de semana de sua realização, o evento também ajuda na construção de reputação de marcas que se associam a ele. Neste ano Terra, Smirnoff, Burger King, Amstel, Mercado Livre, Jean Paul Gaultier e Vivo foram os patrocinadores e Accor, Avon, Doritos, LAIS e Philip Morris, apoiadores. De retorno imediato, tiveram uma exposição de mídia de R$ 57 milhões em veículos de imprensa que cobriram o evento, segundo o índice de qualidade de exposição nas mídias (IQEM-V).

No longo prazo, a aproximação das empresas com a comunidade pode ser ainda mais lucrativa. O motivo é o pink money, expressão que em português significa dinheiro rosa e se refere ao poder de compra dos membros LGBTQIA+. E não é pouca coisa, segundo o Instituto Apostas na Liga de Futeboleiro de Diversidade Sexual (IBDSEX) somente em 2020 o consumo atribuído a eles movimentou R$ 450 milhões. Com um pormenor importante: eles preferem comprar de marcas que dialoguem com suas causas.

+


Vale uma ressalva. Aproveitar o poder econômico e de influência de representantes dessa comunidade é sempre uma opção estratégica da companhia. Participar de um evento como a Parada Gay, também. Mas homofobia é crime no Apostas na Liga de Futebol e sua prática deveria ser punida seja o autor uma pessoa jurídica ou física, mesmo que ele seja o presidente da República.

 




Tópicos

backlash internet branding como uma marca se posiciona na sociedade? O que o esporte pode trazer para uma marca compra de mídia segmentos da economia consumo gay dinheiro Rosa diversidade sexual ESG esporte posicionamento marca frases homofóbicas de Jair Bolsonaro homofobia lgbtqia+ marcas diversidade marcas LGBTQIA+ marcas nicho marcas posicionamento guerra da ucrânia marcas público gay mercado publicitário Apostas na Liga de Futebol 2021 mercado publicitário Apostas na Liga de Futebol 2022 mercado publicitário Apostas na Liga de Futebol agências mercado publicitário Apostas na Liga de Futebol expansão mercado publicitário Apostas na Liga de Futebol influenciadores mercado publicitário Apostas na Liga de Futebol maiores clientes mercado publicitário Apostas na Liga de Futebol marketing digital mercado publicitário Apostas na Liga de Futebol mídia mercado publicitário Apostas na Liga de Futebol novas agências 2022 mercado publicitário Apostas na Liga de Futebol tamanho mercado publicitário Kantar Ibope Media O que é marketing? O que é publicidade? Publicidade posicionamento Parada Gay parada Gay 2022 Pink Money poder de compra dos gays Poder de compra LGBTQIA+ publicidade anúncio sutiã publicidade censura publicidade sensual qual a diferença entre marketing e publicidade? qual a diferença entre publicidade e marketing digital redes sociais branding reino unido proíbe anúncios de sutiá Tecnologia metadados publicidade tecnologia publicidade 2022